JESUS, O NOSSO CRISTO, TE AMA!!!

RÁDIO EVANGÉLICA!!
AMIGOS, COMPARTILHEM ESSE BLOG!
Facebook Twitter Google+ Pinterest Reddit LinkedIn Addthis Delicious Digg Evernote Myspace NetLog Netvibes Tumblr WhatsApp

BY BG

220
Fãs
528
Fãs

Artigos

Opiniões

terça-feira, 31 de agosto de 2010

QUESTIONÁRIOS TEOLOGIA


BASEADO NESTE PEDIDO ABAIXO, ESTOU RETIRANDO AS RESPOSTAS DOS QUESTIONÁRIOS DO BLOGGER, QUE DEUS VOS ABENÇÕE A TODOS.

PEDIDO: ANA PAULA ARAGÃO: SAUDAÇÕES! VENHO ATRAVÉS DESTE, SOLICITAR AO PASTOR QUE POR FAVOR RETIRE AS RESPOSTAS DOS QUESTIONARIOS. TRABALHO NO SEMINÁRIO E O INTUITO DAS PERGUNTAS É PARA QUE A PESSOA ESTUDE E SEJA UM PASTOR(A);

CONT: ANA PAULA ARAGÃO: CHEIO DO ESPIRITO E COM SABEDORIA COMO O SENHOR. TEMOS QUE GRADUAR PASTORES QUE TENHAM CAPACIDADE. E DESTA FORMA O SENHOR NAO ESTÁ AJUDANDO. DESDE JÁ AGRADEÇO. QUE DEUS CONTINUE ABENÇOANDO A SUA VIDA.
31 Aug 10, 11:14

RESPOSTA: Edson: Amém irmã Ana Paula Aragão, estou de acordo com sua colocação, e vou retirar a maioria das respostas fika na paz de Cristo Jesus.
31 Aug 10, 11:15



MEDITAÇÃO: Salmos 1

Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.
Antes tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite.
Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará.
Não são assim os ímpios; mas são como a moinha que o vento espalha.
Por isso os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos.
Porque o SENHOR conhece o caminho dos justos; porém o caminho dos ímpios perecerá.


DEUS VOS ABENÇOE EM CRISTO JESUS.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

CÓDIGO DA CRIANÇA e ADOLESCENTE.


 ALGUNS ARTIGOS DO CÓDIGO DA CRIANÇA E ADOLESCENTE

Art. 7° - A criança e o adolescente têm direito a proteção à vida e à saúde, mediante a efetivação de políticas sociais públicas que permitam o nascimento e o desenvolvimento sadio e harmonioso, em condições dignas de existência.
Art. 15 - A criança e o adolescente têm direito à liberdade, ao respeito e à dignidade como pessoas humanas em processo de desenvolvimento e como sujeitos de direitos civis, humanos e sociais garantidos na Constituição e nas leis.
Art. 19 - Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado no seio da sua família e, excepcionalmente, em família substituta, assegurada a convivência familiar e comunitária, em ambiente livre da presença de pessoas dependentes de substâncias entorpecentes.

Art. 53 - A criança e o adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o trabalho, assegurando-se-lhes:
I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;
Il - direito de ser respeitado por seus educadores;
III - direito de contestar critérios avaliativos, podendo recorrer às instâncias escolares superiores;
IV - direito de organização e participação em entidades estudantis;
V - acesso a escola pública e gratuita próxima de sua residência.
Parágrafo único - É direito dos pais ou responsáveis ter ciência do processo pedagógico, bem como participar da definição das propostas educacionais.

Art. 60 - É proibido qualquer trabalho a menores de 14 (quatorze) anos de idade, salvo na condição de aprendiz.

DEUS EM CRISTO JESUS VOS ABENÇOE.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O QUE É SER UM OBREIRO

OBREIROS

Ser "obreiro" é estar comprometido com a obra de Deus na Terra. Logo, independente do cargo, ou da atividade ministerial na qual estejamos engajados, todos os que trabalham na obra de Deus são obreiros, desde o assistente diaconal até o pastor. O termo "obreiro" significa simplesmente "trabalhador". A diferença entre um simples membro da igreja e um obreiro, está no grau de comprometimento com o Reino de Deus. Um membro pode estar envolvido com o Reino, mas o obreiro está comprometido com o seu crescimento.



Para entendermos melhor a diferença entre envolvimento e comprometimento, lancemos mão de uma simples analogia:
"Numa refeição encontramos ovos e bacon. Os ovos vieram da galinha, enquanto o bacon veio do porco. Cada um deu a sua contribuição. Não obstante, qual deles precisou se comprometer para dar sua parcela de contribuição para a refeição?
É claro que foi o porco.
A galinha pôs seu ovo, e deu-o para ser comido.
Entretanto, isso não interferiu em sua vida.
Já o porco, para nos fornecer o bacon, teve que comprometer sua própria vida. Eis a diferença entre ser um membro envolvido, e um obreiro comprometido. Imagine uma igreja em franco crescimento. Para que ela estivesse cheia, alguns contribuíram com sua presença, mas outros contribuíram com seu trabalho.
O obreiro é aquele que se dispõe a comprometer seu tempo, seus recursos, seus talentos, na propagação do Reino de Cristo Jesus.
Ele não se satisfaz apenas em entregar seu dízimo e dar suas ofertas.
Ele quer dar-se a si mesmo a Deus, e à Sua obra (2 Co.8:5), e para isso, está sempre disposto a arregaçar as mangas e trabalhar.
Quanto mais o obreiro cresce na Obra, maior é o seu comprometimento com o Reino de Deus.


Deus em Cristo Jesus vos abençoe.

BASTA CRER


Havia um casal de ateus que tinha uma filha.
Os pais jamais lhe falaram de Deus.
Uma noite, quando a menina tinha cinco anos, seus pais brigaram e o pai atirou em sua mãe, em seguida o pai se suicidou.
Tudo isto diante da menininha.
Ela foi enviada a um lar adotivo.
Sua nova mãe, levou-a a uma igreja.
Nesse dia, a mãe explicou à professora das crianças que a menina jamais havia escutado falar de Jesus e que por favor ela tivesse paciência.
A professora apanhou uma figura de Jesus e perguntou a todos:
"Alguém sabe quem é esta pessoa?"
A menininha respondeu: "Eu sei, eu sei, esse é o homem que estava segurando na minha mão na noite em que meus pais morreram..."

A Bíblia nos diz: "Se creres verás a glória de Deus".

Deus em Cristo Jesus vos abençoe.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

ASSEMBLÉIA DE DEUS


Apresentação:
A Assembléia de Deus é uma Entidade Religiosa Pentecostal, com doutrinas fundamentadas na Bíblia Sagrada. Temos como Fundamento nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
A Assembléia de Deus, no geral, é uma Igreja que se emprega em todas as áreas no que diz respeito ao Evangelho. Todos, em um único sentido. Levar ao conhecimento da humanidade que só Jesus Salva.

A Organização da Assembléia de Deus
Com um número reduzido de membros estavam lançadas as bases do Movimento e as raízes se estenderiam por todo o solo brasileiro com a denominação de Assembléia de Deus. Na mesma noite da expulsão, ao chegarem a casa da irmã Celina, os irmãos resolveram passar a se congregar alí, o que normalmente foi feito pelo espaço de mais ou menos três meses, com cultos dirigidos pelo missionário Vingren e pelo irmão Plácido. Daniel Berg pouco falava por ainda estar atrasado no aprendizado da língua. Disso tudo surgiu a necessidade de que o trabalho fosse organizado como igreja, o que se deu a 18 de junho de 191I, quando por deliberação unânime, foi fundada a Assembléia de Deus no Brasil, tendo em Daniel Berg e Gunnar Vingren os primeiros orientadores. O termo Assembléia de Deus dado a denominação não tem uma origem definida entre nós. entretanto, sugere-se estar ligado as Igrejas que na América do Norte professam a mesma doutrina e recebem a designação de Assembléia de Deus ou Igreja Pentecostal. Sobre a questão e aceitável o seguinte testemunho do irmão Manoel Rodrigues. "Estou perfeitamente lembrado da primeira vez que se tocou neste assunto. Tínhamos saído de um culto na Vila Coroa. Estávamos na parada do bonde Bemal do Couto, canto com a Santa Casa de Misericórdia. O irmão Vingrem perguntou-nos que nome deveria dar-se a Igreja, explicando que na América do Norte usavam o termo Assembléia de Deus ou Igreja Pentecostal. Todos os presentes concordaram em que deveria ser Assembléia de Deus. Em 11 de Janeiro de 1968 a denominação foi registrada oficialmente como pessoa jurídica. com o nome de Assembléia de Deus. Desde sua fundação esta Igreja teve os seguintes pastores: I - Gunnar Vingren - 1911l - 1924 Organizada, a igreja aclamou seu primeiro pastor na pessoa de Gunnar Vingren que permaneceu atá 1924, quando transferiu-se para o Rio de Janeiro. então capital do Brasil. Como auxiliar direto, Daniel Berg ocupava-se da evangelização. Este servo de Deus evangelizou Belém de casa em casa. Também na antiga Estrada de Ferro de Bragança fez o mesmo trabalho. Quase 300 Km de Bélem a Bragança e ele fez a pé esta grande caminhada, levando a preciosa semente de casa em casa, em todas as cidades vilas, povoados e aglomerados, além das casas isoladas. Onde quer tivesse um morador, D)aniel Berg deixou uma palavra de salvação e uma porção bíblica - QUEM ESTÁ DISPOSTO) A FAZER ISTO HOJE? Também levou a mensagem inflamada do pentecostes a região das ilhas estabelecendo igrejas em vários locais do Marajó. Outros auxiliares foram Adriano Nobre, Bruno Skolimowisk (O PRIMEIRO ESTRANGEIRO A SER CONSAGRADO PASTOR) Samuel Nystron, Nels Nelson, Almeida Sobrinho (primeiro editor pentecostal) que editou dois números de A VOZ DA VERDADE. Cada crente era um missionário. Novos convertidos transformavam-se em emhaixadores do Rei. Gunnar Vingren os instruia e incentivava que levassem a Mensagem Poderosa. Já em 1913 havia obreiros vocacionados, surgindo os primeirns pastores nas pessoas de Absalão Piano e Izidoro Filho, Crispiano Mwlo (1915), Adriano Nobre e tantos outros. Ainda em 1913 o irmão José de Matos foi levar a mensagem pentecostal à Portugal, tornando-se o primeiro missionário do Brasil no exterior.
Crer, é Confiar, é ter Fé, é Acreditar. As Sagradas Escrituras nos adverte que sem fé é impossível agradar a Deus. O capítulo 11 de Hebreus é conhecido como a Galeria dos Heróis da Fé, por destacar a Fé de vários servos de Deus.






NO QUE CREMOS?
* Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo, Dt 6:4; Mt 28:19; Mc 12:29.
* Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão, 2 Tm 3:14-17.
* No nascimento virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal dentre os mortos e sua ascensão vitoriosa aos céus, Is 7:14; Rm 8:34; At 1:9.
* Na pecaminosidade do homem que o destituiu da glória de Deus, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que o pode restaurar a Deus, Rm 3:23; At 3:19.
* Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do reino dos céus, Jo 3:3-8.
* No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor, At. 10:43; Rm 3:24-26 e 10:13; Hb 5:9 e 7:25.
* No batismo bíblico efetuado por imersão do corpo inteiro uma só vez em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo, Mt 28:19; Rm 6:1-6; Cl 2:12.
* Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus no Calvário, através do poder regenerador, inspirador e santificador do Espírito Santo, que nos capacita a viver como fiéis testemunhas do poder de Cristo, Hb 9:14; 1 Pe 1:15.
* No batismo bíblico com o Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo, com a evidência inicial de falar em outras línguas, conforme a sua vontade, At 1:5; 2:4; 10:44-46 e 19:1-7.
* Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme sua soberana vontade, 1 Co 12:1-12.
* Na segunda vinda pre-milenial de Cristo, em duas fases distintas. Primeira - invisível ao mundo, para arrebatar a sua Igreja fiel da terra, antes da grande tribulação; Segunda - visível e corporal, com sua Igreja, para reinar sobre o mundo durante mil anos, 1 Ts 4:16,17; 1 Co 15:51-54; Ap 20:4; Zc 14:5; Jd 14.
* Que todos os cristãos comparecerão ante ao Tribunal de Cristo, para receber a recompensa dos seus feitos em favor da causa de Cristo na terra, 2 Co 5:10.
* No juízo vindouro que justificará os fiéis e condenará os infiéis, Ap 20:11-15.
* E na vida eterna de gozo e de felicidade para os fiéis e de tristeza e tormento para os infiéis, Mt 25:46.




Deus em Cristo Jesus vos abençoe.

sábado, 14 de agosto de 2010

CASAMENTO

QUANDO O RELACIONAMENTO FAMILIAR FICA PREJUDICADO
Gênesis 29 à 31 e 37

Introdução: Família é a convivência de aparentados por laços consangüíneos que vivem em espaço comum e interagem no relacionamento. A família deixou de ser a célula mater da sociedade e, segundo o Artigo 266º da nossa Constituição, é a base da sociedade, tendo especial proteção do Estado, o que soa como um contra-senso visto que a sociedade, com a parcimônia do estado, desvaloriza e ridiculariza a família a partir da banalização do casamento, da facilitação do divórcio e da pornograficalização da sexualidade.
A Palavra de Deus já preceituava tal catástrofe e podemos deferir do Texto Sagrado, capítulos 29 à 31 e 37 de Gênesis, ensinamentos sobre diversas situações que prejudicam o relacionamentos familiar, o que veremos a seguir.

Com base no Texto, diríamos que o relacionamento familiar fica prejudicado...
1. Quando o casamento começa errado - Gênesis 29.18.
De acordo com o costume da época, a filha mais velha deveria casar primeiro, vs. 26, o que não foi observado por Jacó e aproveitado por Labão em sagacidade.
Algumas motivações erradas para o casamento são:
a) Paixão;
b) Sexo pré-conjugal;
c) Gravidez;
d) Desejo de maioridade;
e) Libertação do jugo dos pais e
f) Situação econômica.
A motivação correta para o casamento é a vontade soberana de Deus para nossas vidas. Devemos estar resignados ao Senhor se esperamos felicidade no matrimônio.
O casamento que resiste aos embates é aquele efetivado por Deus em seu propósito santo e soberano, e aceito por nós em obediência e resignação ao Senhor, Marcos 10.9.

2. Quando há disputas familiares - Gênesis 29.34 e 30.1.
Tais disputas são motivadas pela ansiedade egocêntrica de possessão e de domínio. Atualmente muitos casais vivem esta dificuldade devido a questões salariais ou quando se matem o divisionismo possessivo fomentado pela síndrome do ter. Quando a propriedade de bens ou a ganância econômica é mais importante do que o relacionamento conjugal não se constrói convivência em mutualidade.
A solução para as disputas familiares é a busca da unidade espiritual e a prática do altruísmo, do doar-se um ao outro, promovendo-se partilha de vida, alegria produtiva e espiritualidade. Quando nos entregamos de forma amorável ao nosso cônjuge, os bens seguem a reboque.

3. Quando um dos cônjuges se permite ao adultério - Gênesis 30.3-13.
Jacó não só aceitou a proposta absurda da esposa, de fazer sexo com a serva para gerar filhos, como tornou-se reincidente no erro. Adultério é pecado. É comparado a feitiçaria na Bíblia e não pode ser admitido entre servos de Deus. O adultério banalizou-se na vida de Jacó trazendo grandes problemas, mágoas incuráveis e marcas profundas para os seus, da mesma forma que amaldiçoa famílias hoje.
A solução para o adultério é muita conversa, inclusive sobre os anseios sexuais de cada um, associada a uma relação sexual o mais equilibrada e satisfatória possível, concomitante ao perdão incondicional dispensado àquele quebrou a trato da fidelidade conjugal. Vale ressaltar que prazer sexual no casamento não é pecado, basta lermos Cantares de Salomão.

4. Quando se pratica a prostituição conjugal - Gênesis 30.14-16.
Raquel propõe a Léia comprar uma noite de sexo com Jacó em troca das mandrágoras colhidas por Rúben. Léia aceitou a proposta absurda e comprou a noitada com o maridão. O mais estarrecedor é que Jacó aceitou parcimoniosamente a situação, compactuando com aquele deplorável ato de prostituição conjugal.
Se queremos evitar esta maldição que muitas vezes se banaliza entre casais, inclusive cristãos, devemos ter em mente que na relação conjugal, principalmente no trato sexual, não se troca, vende ou compra nada. Se dá, se entrega incondicionalmente na busca da realização do outro. Se precisamos comprar o amor, o carinho, o afeto e o sexo do nosso próprio cônjuge, o divórcio talvez seja um mau menor.

5. Quando há deslealdade e mentira quanto aos recursos financeiros - Gên. 30.37-43 e 31.20-21.
Jacó demonstrou sagacidade no trato financeiro de sua família e permitiu-se ao enriquecimento ilícito. Roubou e sonegou ao próprio sogro, conseqüentemente, logrou de suas esposas e seus filhos e sendo desleal à sua própria consciência, o que é pior.
Os benefícios materiais e sociais advindos do enriquecimento ilícito são bem maiores do que os resultantes da honestidade, mas nada além da honestidade permite aos pais pureza de consciência e integridade na hora de exigir dos filhos integridade e honestidade diante de Deus e da sociedade. Pais roubadores e desonestos não tem autoridade moral e espiritual para educarem seus filhos.
Para não sermos engodados e enredados pelo desejo de enriquecimento ilícito devemos buscar a consciência de que é Deus quem nos sustenta e quem provê os recursos para suprir todas as nossas necessidades mesmo que com pouco dinheiro. O nome limpo, a paz de espírito e a integridade que resulta da honestidade são bens valiosíssimos mesmo para os mais pobres e é a maior herança que podemos outorgar aos nossos filhos, Provérbios 10.9 e 16.

6. Quando as preferência afetivas são descaradamente declaradas - Gênesis 29.30 e 37. 1-4 e 20.
É impossível não admitirmos, a não ser que sejamos mentirosos, que temos preferências afetivas em nossas famílias. Nos identificamos mais com determinada pessoa do que com outra. É uma questão de afinidade, de empatia entre personalidades e pensamentos, mas isso não pode ser fator determinante no relacionamento familiar. Temos o desafio de sermos imparciais e de imprimirmos o mesmo padrão de justiça para todos em nossa família, incluindo aqueles que melhor se afinam conosco.
A solução, neste caso, não é negar-se ao amor ou a afinidade relacional mas sim, evitar que as preferências descabidas e desequilibradas, que superprotege um e abandona o outro, sejam identificadas. A declaração das preferências afetivas amaldiçoa aquele que não nos desperta empatia ao isolamento e ao rigorismo justiceiro, o que distorce a personalidade, desperta o desamor no coração e cultiva ódio mortífero.

7. Quando falhamos no testemunho cristão - Gênesis 31.19.
Jacó fora criado recebendo os ensinamentos de seu pai Isaque, "o Filho da Promessa", e portanto sabia como deveria agir para com sua família a fim de que, pelo seu testemunho, pudessem ser abençoados. Jacó falhou. Cometeu os mesmos erros de seus pais e seu testemunho distorcido influenciou negativamente a sua família, o que permitiu que no coração de sua mais amada esposa persistisse a idolatria a ponto dela roubar uma imagem de seu pai, Labão, para não romper o vínculo com suas origens religiosas.
Devemos assumir o nosso compromisso e o nosso papel como sacerdotes, o sacerdócio universal, para as nossas famílias. O nosso testemunho não pode ter outra influência que não seja a de coibir o pecado e desafio à salvação. Não podemos remediar ou demonstrar conivências com os pecados de nossos familiares. Cada dia que deixamos passar em falha testemunhal, de certo resultará em noites de amarguras e lágrimas quando virmos os nossos filhos, esposos e esposas, nossos familiares em geral, enchafurdados no lamaçal do pecado a passos largos para o inferno.

Conclusão:
Amados, a família é bênção de Deus para nós. Quando ajustada aos parâmetros da palavra de Deus é base que fornece solidez à sociedade e faz triunfar o ser, pois não há sucesso na vida que aplaque a amargura do fracasso na família. Não podemos permitir que os fatores alistados aqui prejudiquem nossas famílias. Na família cristã, temente a Deus e fiel a Jesus Cristo não há lugar para disputas egocêntricas, para adultérios ou para a prostituição conjugal. Tais situações são pecaminosas e devem ser extirpadas do seio da família. Na família evangélica, que sabe a maneira correta de iniciar um casamento, não há espaço para mentiras e desonestidade, para preferências afetivas discriminatórias ou para um testemunho de esparrela. Somos o sal da terra. Somos o povo da santidade e das realizações benfazejas e por isso, devemos implantar na sociedade o padrão de Deus para as famílias a partir da vivência em mutualidade e espiritualidade contagiantes. Devemos colocar nossas vidas e famílias no altar para que sejamos transformados por Deus em instrumentos de bênçãos para nossos lares. Devemos ser viabilizadores e facilitadores da boa convivência familiar, mesmo que isso nos exija renúncias doridas ou ruminar das afrontas. Devemos fazer tudo o que for possível, até mesmo nos permitirmos à transformações radicais na personalidade e na ideologia, para que nossos lares vivam motivados pelo amor manifestado por Jesus na cruz. Somos, para a nossa família, os promotores do amor que nos possibilita vivermos em família para o louvor e glória do nosso Deus.

FONTE: Fernando Fernandes é Pastor da 1ª Igreja Batista em Penápolis/ SP e Prof. no Seminário Teológico Batista de São Paulo. E-Mail: prfcf@terra.com.br

DEUS EM CRISTO JESUS VOS ABENÇOE.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

A TIGELA


Um senhor de idade foi morar com seu filho, nora e o netinho de quatro anos de idade.
As mãos do velho eram trêmulas, sua visão embaçada e seus passos vacilantes.
A família comia reunida à mesa. Mas, as mãos trêmulas e a visão falha do avô o atrapalhavam na hora de comer. Ervilhas rolavam de sua colher e caíam no chão. Quando pegava o copo, leite era derramado na toalha da mesa. O filho e a nora irritaram-se com a bagunça.
- "Precisamos tomar uma providência com respeito ao papai", disse o filho.
- "Já tivemos suficiente leite derramado, barulho de gente comendo com a boca aberta e comida pelo chão."
Então, eles decidiram colocar uma pequena mesa num cantinho da cozinha.
Ali, o avô comia sozinho enquanto o restante da família fazia as refeições à mesa, com satisfação.
Desde que o velho quebrara um ou dois pratos, sua comida agora era servida numa tigela de madeira.
Quando a família olhava para o avô sentado ali sozinho, às vezes ele tinha lágrimas em seus olhos.
Mesmo assim, as únicas palavras que lhe diziam eram admoestações ásperas quando ele deixava um talher ou comida cair ao chão.
O menino de 4 anos de idade assistia a tudo em silêncio.
Uma noite, antes do jantar, o pai percebeu que o filho pequeno estava no chão, manuseando pedaços de madeira.
Ele perguntou delicadamente à criança:
- "O que você está fazendo?"
O menino respondeu docemente:
- "Oh, estou fazendo uma tigela para você e mamãe comerem, quando eu crescer."
O garoto de quatro anos de idade sorriu e voltou ao trabalho.
Aquelas palavras tiveram um impacto tão grande nos pais que eles ficaram mudos.
Então lágrimas começaram a escorrer de seus olhos.
Embora ninguém tivesse falado nada, ambos sabiam o que precisava ser feito.
Naquela noite o pai tomou o avô pelas mãos e gentilmente conduziu-o à mesa da família.
Dali para frente e até o final de seus dias ele comeu todas as refeições com a família.
E por alguma razão, o marido e a esposa não se importavam mais quando um garfo caía, leite era derramado ou a toalha da mesa sujava.


Deus em Cristo Jesus vos abençõe.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

QUESTIONÁRIO AS ORDENANÇAS DA IGREJA.


As ordenanças de Jesus à igreja é conhecido também de Sacramentos. Os chamados "sacramentos" são dois: O Batismo e a Ceia do Senhor.
Algumas denominações cristãs somam aos sacramentos a cerimônia dos "lava-pés". A igreja Católica Romana, no Concílio de Trento (1545-63), identificou um total de sete sacramentos ao todo, somando a Penitência, Comunhão (substituindo o lava-pés), Matrimônio, Confirmação (Crisma) e Extrema unção. Porém, não existe fundamento bíblico para que além do Batismo e a Ceia, possa existir outras ordenanças de Jesus à igreja.
É interessante frisar que os sacramentos não estão ligados diretamente à salvação. Isto significa que pode existir alguém que foi batizado, é participante da Ceia do Senhor e não ser salvo; por outro lado, é possível existir alguém que, por uma razão qualquer, não foi batizada e conseqüentemente não é participante da Ceia,  ser salva.

3. 1. O Batismo.

 "E disse: ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado" (Marcos 16:15-16).

 "Os que de bom grado receberam a sua palavra foram batizados..." (Atos 2:41).

Muito se discute em relação ao batismo. Biblicamente, somente o que aceitar Jesus como Salvador e Senhor de sua vida pode se submeter ao batismo. O propósito predominante na cerimônia do batismo deve ser o de "declarar publicamente" que se faz parte da família de Deus. O batismo não salva, e os que assim acreditam, estão totalmente fora do propósito de Jesus quando ordenou o batismo.
Muitos cristãos, se questionados em relação as ordenanças de Jesus à igreja, irão responder que com certeza uma delas é pregar o evangelho. E o ato de se pregar o evangelho está ligado diretamente ao batismo. Dentro do conceito bíblico, só se pode batizar alguém que tenha ouvido o evangelho e, acima de tudo, aceitado os ensinamentos. Portanto, o maior objetivo do batismo é dizer diante de todos que se é uma nova criatura. Assim, o "novo convertido" dá provas de que "morreu para o mundo, e reviveu para Cristo" (ver, Colossenses 2:12).

Mas afinal o que venha a ser o batismo para o cristão? Eis a resposta:

1. É uma confissão de fé em Cristo (At 8:36-37).
2. É uma experiência de comunhão com Cristo (Cl 2:12).
3. É uma consagração para viver para Cristo (Rm 6:4-8).
4. É uma promessa de consumação através de Cristo (Rm 6:22).

3. 1. 1. Quem e quando ser batizado?

Quem pode ser batizado? Quando pode-se ser batizado? São perguntas que parecem serem respondidas com facilidade, mas nem sempre é assim. Este "quem" é bastante discutido, e depende muito das igrejas "locais" . Dentro do que é determinado na Palavra de Deus, a Bíblia, este "quem" se restringe a todo aquele que crer. Se observarmos dentro das igrejas espalhadas pela terra, notaremos que muitos dos que já "creram", por questões basicamente "burocráticas", onde explicações e desculpas são apresentadas, são impedidas de serem batizadas. Na realidade, todo o que já aceitou Jesus como Salvador, portanto salvo, tem todo o direito de ser batizado e cumprir a ordenança de Jesus (Mateus 28:19).
Quanto a outra questão, o "quando", existe uma ligação direta ao "quem". Na realidade, já está pronta para o batismo, a pessoa que tem total consciência do que se  está fazendo. Algumas igrejas batizam o convertido logo em seguida à sua conversão, outras, porém, dão um pouco mais de tempo e "preparo" a estes novos convertidos; existe, como chamam os batistas de "grupo dos batizandos" ou "classe dos novos convertidos, que se preparam para o batismo". Não somente os batistas, mas diversas denominações evangélicas, tomam esta iniciativa para com os novos cristãos. Isto dá mais segurança ao novo crente, que pode obter firmeza em sua nova fé.

3. 1. 2. Como ser batizado?

A forma de batismo mais comum e aceita por quase todas as igrejas evangélicas é o batismo por imersão. Esta forma de batismo parece ser a encontrada nas Escrituras. João quando esteve a batizar no rio Jordão, deve ter usado esta forma de batismo (Mateus 3:5-6). A própria palavra "batismo" significa imersão ou mergulho. Por esta razão, a idéia passada nas Escrituras é que a pessoa, ao ser batizada, deve ficar totalmente coberta por água.
Mesmo sendo o batismo por imersão o mais provável método de batismo encontrado na Bíblia, algumas igrejas cristãs preferem usar o batismo por aspersão, onde o candidato não é coberto totalmente por água, sendo lançado sobre ele um pouco de água. Os presbiterianos (com algumas exceções), luteranos, episcopais, católicos, metodistas, e outras, optam por esta forma de batismo; sendo em alguns casos praticado o batismo infantil. Estas facções do cristianismo, justificam esta forma de batismo, dizendo que o que mais importa na cerimônia do batismo é obedecer a ordem de Jesus.

3. 2. A Ceia do Senhor.

"E tomou o pão, deu graças, partiu-o e deu-lhes, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim.
Semelhantemente tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este é o cálice da Nova Aliança no meu sangue derramado por vós" (Lucas 22:19-20).

A Ceia do Senhor, também conhecida como "Eucaristia", "Comunhão", "Partir do pão" ; está fundamentada na última ceia repartida por Jesus "na noite em que foi traído" (1 Co 11:23). O Mestre Jesus instituiu a Ceia do Senhor como uma ordenança contínua até a Sua volta. A ligação entre a Ceia do Senhor e a Páscoa é muito estreita. O judeus celebravam a Páscoa em comemoração à libertação do cativeiro no Egito (Êxodo 12:1-36), a igreja celebra a Ceia do Senhor em comemoração ao trabalho remidor de Jesus, que trouxe ao que realmente crer, a libertação do pecado.
Assim como, de certa forma, o batismo esta ligado ao "Ide" de Jesus; a Ceia do Senhor, parece ter uma ligação com o "permanecer em Jesus". Pois os participantes da Ceia, devem estar em comunhão com Jesus.

3. 2. 1. A simbologia existente nos elementos da Ceia.

 "... fazei isto em memória de mim" (Lucas 22:19b).

A simbologia existente na Ceia do Senhor deve ser conhecida por todos os servos de Deus. Os elementos usados na Ceia têm um significado específico, observe:
O Pão e o Vinho usados na Ceia do Senhor simbolizam o corpo e o sangue de Cristo. Isto não quer dizer que o pão usado na Ceia passa a ser, literalmente, o corpo de Cristo, e que o vinho se transforme no sangue de Jesus.
A igreja católica romana acredita que ao serem consagrados, o pão e o vinho, passam a serem o corpo e o sangue de Cristo, retendo os mesmos sabores e propriedades físicas, mas, já não sendo pão e vinho. A isto se dá o nome de substanciação. Em reconhecimento disto, o padre eleva a hóstia (Palavra que vem do latim, significa: Vítima sacrificial) para ser adorada pelos fiéis. Os que assim acreditam, estão "sacrificando" a Cristo todas as vezes que celebram a Ceia. É preciso considerar que Cristo foi sacrificado uma única vez por todas (ver, Hb 7:27; 9:12; 10:10).
Lutero, um dos reformadores, rejeitou a substanciação, mas aceitou a idéia de Cristo estar presente nos elementos da Ceia. Segundo o ponto de vista luterano, o pão não deixa de ser pão, mas passa a ser representante do corpo de Cristo glorificado, presente em toda a parte; a isto dá-se o nome de consubstanciação. Assim sendo, no momento da Ceia, há uma verdadeira presença do corpo de Cristo.
Calvino, um outro reformador, pregava que Cristo é compartilhado na Ceia somente quando o participante se aproxima com fé genuína. Pelo Espírito, a igreja é elevada às alturas na Ceia, experimentado uma comunhão com Jesus.
Este pensamento de Calvino é o mais aceito dentro do cenário evangélico. A maioria dos evangélicos crêem que os elementos da Ceia são apenas um memorial simbólico que pela fé, o crente, no ato da comunhão, entra em uma união especial com Deus.

3. 2. 2. Os participantes da Ceia do Senhor.

Os participantes da Ceia do Senhor devem, acima de tudo, terem recebido Jesus como verdadeiro e único Salvador. De uma forma geral, os evangélicos permitem participar da Ceia, somente os convertidos que obedeceram a primeira ordenança, o Batismo. Um detalhe deve ficar claro, todo o convertido deve ser participante da Ceia.
A igreja em Corinto, segundo nos faz parecer, fazia muita confusão em relação à Ceia, que o Apóstolo Paulo teve que separar uma parte da primeira carta para dar esclarecimento a respeito (1 Co 11:17-34). A preocupação do Apóstolo era que ninguém participasse "indignamente" da Ceia, mas, antes deveria ser feito um exame introspectivo (interno), para ter o direito de ser participante (ver, 1 Co 11:27-29). Por esta razão, muitas igrejas limitam os participantes da Ceia. Existe, nos dias atuais, pelo menos três sistemas diferentes de liberação para participar da Ceia do Senhor. A saber:

1º Sistema livre ou liberal.

Este sistema permite que todos os que estão presente no culto de celebração da Ceia participem. O problema nesta forma de celebrar a Ceia é que muitas pessoas, inconscientemente, participam indignamente. De uma forma geral, os chamados pentecostais modernos adotam este sistema.

2º Sistema Restrito.

Este sistema limita os participantes aos crentes da mesma denominação, ou seja, no momento da celebração, o pastor esclarece que só os "da mesma fé e ordem" estão liberados. Geralmente as igrejas Batistas convencionais, Assembléias de Deus históricas, e outras adotam este sistema.

3º Sistema Ultra restrito.

O sistema ultra restrito, limita a participação da Ceia somente aos membros da igreja local, não importando o visitante ser ou não da mesma denominação. Geralmente, somente as igrejas extremamente conservadoras, adotam este sistema de celebração da Ceia.
O que o cristão deve ter em mente é que; a Ceia é uma ordenança do Senhor Jesus à sua igreja; e que, deve ser obedecida "até que Ele venha" (1 Co 11:26). Nossa atitude em relação à celebração da Ceia do Senhor, deve ser de permanência em comunhão com Jesus. Este foi o maior objetivo do Mestre quando instituiu a Ceia. O batismo tem a finalidade de darmos um público testemunho da nossa fé em Jesus, aceitando a doutrina do evangelho do Senhor. A Ceia, tem a finalidade de dizermos que estamos permanecendo Nele. Daí a importância de uma vida de comunhão com Deus. E quando deixamos de participar da Ceia, é porque uma barreira existe entre nós e Jesus. Esta "parede de separação"  foi removida com o sacrifício remidor de Jesus na cruz. Portanto, para que vivamos em comunhão com Cristo, a atitude deve partir de nós, pois a parte Dele já foi feita.

 Fonte: http://www.pibis.com.br/site/conteudo_aprendendo.asp?idapre=22

DEUS EM CRISTO JESUS VOS ABENÇOE.